Identidade visual para um pequeno e importante pedaço do nosso folclore

Branding Folia de Reis

Nessa peça eu serei um pouco mais longo na descrição. Além de sustentar uma bela história, todo meu envolvimento no projeto não deixou de me tocar pessoalmente.

 

A Folia de Reis é uma das festas folclóricas mais antigas no Brasil. Sua tradição é mantida principalmente em cidades do interior de diversos estados brasileiros e, mesmo tendo pequenas diferenças de um lugar para o outro, mantém há séculos suas características. Biblicamente ela representa os dias que se seguiram após o nascimentos de Cristo e a caçada de Herodes aos recém nascidos de cada família na Judéia. Coberto de metáforas, o conto bíblico foi levado a população gentil e foi sendo passado de geração em geração na Europa e trazido pelos colonizadores ao nosso país. A tradição européia tem uma denotação de comunidade e comunhão em sua releitura Brasileira. Abaixo está uma definição por Câmara Cascudo, um dos maiores folcloristas brasileiros:

 

 (...) os sujeitos que participam de forma espontânea ou por meio de grupos, com indumentária própria
ou não, visitam os amigos ou pessoas conhecidas, na tarde ou noite de 05 de janeiro (véspera de reis), cantando e dançando ou apenas declamando versos alusivos a data e solicitando alimentos ou dinheiro. Essa é uma tradição que foi mantida pelos colonizadores portugueses no Brasil e, ainda hoje, não desapareceu completamente em algumas regiões do país. (CASCUDO, 1984, p. 668)

 

Em Cândido Mota, cidade do oeste Paulista e local de nascimento e residência de Toninho Leitero, foco do trabalho documental, logo depois do dia primeiro de cada ano cada uma das 3 bandeiras da cidade formam comitivas de cantadores, violeiros e "palhaços" ou "tenentes", figuras mascaradas que representam os soldados do Rei Erodes, que se degladeiam com espadas de madeira, fazem versos e se ridicularizam lutando entre si por moedas atiradas ao alto pelas pessoas que assistem. As bandeiras são recebidas nas casas dos "padrinhos" e pedem por prendas - que podem ser entregues em forma de alimentos ou dinheiro - e uma série de canções é feita de improviso pelo embaixador da comitiva, que utiliza como tema os pedidos da família visitada. Toda a tradição culmina em uma grande festa realizada no dia 6 de janeiro, patrocinada pelo resultado dos pedidos das comitivas e que é visitada por todos os habitantes de Cândido Mota e das cidades vizinhas, que dividem o espaço da festa, comendo, bebendo, participando da reza de um terço e do encontro das bandeiras, onde cada comitiva apresenta sua bandeira ao povo com uma série de danças em roda realizadas pelos "palhaços".

Clique nas imagens acima para ver o projeto completo

DIEGO BASSINELLO / 11.9.8145.3221 / diego.bassinello@gmail.com  /

  • facebook-square